Capítulo Quatro: As Veias Ainda Abertas da América Latina

 

Mão espalmada, com os dedos abertos em desespero, com um mapa da América Latina a escorrer sangue pelo punho abaixo. Mão que lembra os velhos tempos de luta, pobreza e abandono. Nela, meus amigos, se encontram todos os países do continente. Dos mais ricos aos mais pobres. Dos que, em Cuba, se impuseram corajosamente aos mais poderosos, aos que, como a Nicarágua, ainda lutam com as forças de sua determinação e patriotismo.

 

Texto de Oscar Niemeyer sobre a construção da Mão da América

 

Lembro da mão que eu fiz lembrando o protesto da América Latina contra o império de Bush […] E também, no que se refere à mão, fiz um texto em que expliquei a ele que a América Latina sofria ameaças, sofre até hoje, agora mais do que nunca, de modo que deveria haver um elemento de protesto. Fiquei muito contente de poder fazer aquela mão, porque ela representa bem o sangue correndo no punho, a luta da América Latina para se manter soberana neste mundo de ameaças de sangue.

 

Oscar Niemeyer em Revista Nossa América (n. 25, ano 2007), p. 7 e 8

 

Da Mata, As Veias Ainda Abertas da América Latina (Políptico). Body art realizada na cidade de São Paulo, Brasil. Abril de 2014. Fotografias de Tales Frey, 45 x 30 cm cada | 45 x 340 cm ao todo (dimensão já com o espaçamento de 1 cm incluído entre cada fotografia). Edição: 10 + 2 P.A. cada

Edição 1/10 + 2 P.A. pertence a Fundação Memorial da América Latina, São Paulo, SP, Brasil

 

As Veias Ainda Abertas da América Latina (2014), de Da Mata na exposição coletiva Vitrine de Projetos: Ensaios sobre a Fronteira, com curadoria de Angela Barbour. Galeria Marta Traba, Fundação Memorial da América Latina, São Paulo, SP, Brasil, 2014

 

As Veias Ainda Abertas da América Latina (2014), de Da Mata na exposição coletiva Em Estado de Guerra, com organização e curadoria de Cia. Excessos (Da Mata e Tales Frey). Teatro Académico de Gil Vicente, Coimbra, Portugal, 2016

 

HISTÓRICO

[2019] Exposição Tão Só o Fim do Mundo. Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, Guimarães, Portugal.

[2018] Exposição coletiva Faça Você Mesm_ – Um Guia de Leitura (1/20). Curadoria de Alexandre Sá. A MESA, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

[2016] Exposição coletiva Em Estado de Guerra. Organização e curadoria de Da Mata e Tales Frey. Teatro Académico de Gil Vicente, Coimbra, Portugal.

[2015] Exposição coletiva (Tra)vestir um Fa(c)to. Curadoria de José Maia. Espaço MIRA, Porto, Portugal.

[2014] Exposição coletiva Vitrine de Projetos: Ensaios sobre a Fronteira. Curadoria de Angela Barbour. Galeria Marta Traba, Fundação Memorial da América Latina, São Paulo, Brasil.

[2014] Exposição coletiva “Trees Outside the Academy”: Práticas colectivas/ Collective Practices. Organização e curadoria de Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura. Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, Guimarães, Portugal.