O Sonho de Loïe Fuller (2018-20)

 

Paulo Aureliano da Mata, Vestido de Dança, 2018. Fotografia, 40 x 60 cm. Edição: 5 + 2 P.A.

 

(Imagem em breve.)

Paulo Aureliano da Mata, Vestido de Dança #1, #2, #3, #4, #5, #6, #7, #8, #9, #10, #11, #12, #13, #14, #15, #16, #17, #18, #19, #20, #21, #22, #23, #24#25, #26, #27, 2018-20. Materiais diversos; 40 x 40 x 8 cm cada. Edição: 1 cada

 

(Vídeo em breve.)

Paulo Aureliano da Mata, O Sonho de Loïe Fuller, 2018-20. Vídeo, (tempo). Edição: 5 + 2 P.A.

 

A série O Sonho de Loïe Fuller (2018-20) parte do modelo de desenho do vestido de dança da patente de número 21.458 do dia 12 de abril de 1892 da inventora e artista Loïe Fuller. 

Cada objeto desta série expõe diversas camadas que revelam processos variados através das diferentes texturas, em composições firmes ou em materializações flexíveis. De um lado, a estrutura mais rígida alude à própria patente em sua ideia de permanência, enquanto, de outro, as camadas de tecidos retomam as vestes usadas na dança de Loïe Fuller, as quais, em encontro com a luz e sob movimentos frenéticos, permitiam que o seu corpo se metamorfoseasse em figuras sublimes descritas por muitos e muitas como semelhantes a um anjo, a uma borboleta, a um pássaro, a uma flor etc.

 

HISTÓRICO

[2019] Exposição coletiva Em Posições de Dança. Curadoria de Daniela Labra. Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

[2019] Exposição Tão Só o Fim do Mundo. Texto de Camila Alexandrini. Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, Guimarães, Portugal.

[2018] Exposição coletiva Mover-se em Outra Dimensão. Sput&Nik the window, Porto, Portugal.

 

Série O Sonho de Loïe Fuller (2018-19), de Paulo Aureliano da Mata, em sua exposição individual Tão Só o Fim do Mundo. Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, Guimarães, Portugal, 2019