Paulo Aureliano da Mata

Biografia

 

PAULO AURELIANO DA MATA (a.k.a. Páll Jónsson) (Inhumas, GO, Brasil. 1987) vive e trabalha entre o Brasil e Portugal. É performer e istoriador da arte, membro fundador da Cia. Excessos e da eRevista Performatus, e organizador e diretor da Mostra Performatus. Fez uma especialização em Práticas Artísticas Contemporâneas na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto em Portugal. Tem licenciatura em História da Arte na Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Participou das coletivas nacionais e internacionais: O Teu Corpo é Luta (Arte Londrina 5, Casa de Cultura da Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PE, Brasil, 2017); A Ilha (Sput&Nik The Window, Porto, Portugal, 2016); 19ª Traverse Vídeo: l’Atypique Trouble (Museu de Arte Moderna e Contemporânea Les Abattoirs, Toulouse, França, 2016); XVIII Bienal Internacional de Arte de Cerveira: “Olhar o passado para construir o futuro” (Vila Nova de Cerveira, Portugal, 2015); Maria de Todos Nós: 50 anos de Maria Bethânia (Paço Imperial, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 2015); Múltiplas Perspectivas e não menos Contradições e Sonhos (I Bienal da Maia: Lugares de Viagem, Maia, Portugal, 2015); Rapid Pulse International Performance Art Festival 2015: Video Series (Defibrillator Performance Art Gallery, Chicago, Estados Unidos, 2015); (Tra)vestir um Fa(c)to (Espaço MIRA, Porto, Portugal, 2015); Vitrine de Projetos: Ensaios sobre a Fronteira (Fundação Memorial da América da Latina, São Paulo, SP, Brasil, 2014); Dzień Światła 2012 (Galeria Otwarta, Wrocław, Polônia, 2012); entre outras.

Em 2015, com Tales Frey, fez curadoria da exposição ÁguaAr, de Suzana Queiroga, no Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura em Guimarães (projeto financiado pelo Governo de Portugal – Secretário de Estado da Cultura e DGArtes – Direção Geral das Artes); e da exposição Trabalha-dores do Cu no Espaço de Intervenção Cultural Maus Hábitos no Porto, ambas cidades de Portugal. Já em 2014, com Tales Frey, realizou e fez curadoria da MOSTRA PERFORMATUS #1 na Central Galeria de Arte em São Paulo. Também, nesse mesmo ano, com Tales Frey, fez curadoria da exposição Priscilla Davanzo: Lugares da Escrita no CAAA em Guimarães, Portugal. E em 2013, com Tales Frey, fez curadoria da exposição Beija-me na Estação Cultura em Catanduva, SP, Brasil.

Os principais cursos de formação contínua nacionais e internacionais que praticou são: Laboratory Karawanasun (com Rena Mirecka no Instytut im.Jerzego Grotowskiego em Brzezinka, Polônia); Au Cœur du Son (com Jarosław Fret, Aleksandra Kotecka, Tomasz Wierzbowski, Jean-François Favreau e outros membros do Teatr ZAR na Arta Cartoucherie em Paris, França); Practical workshops of The Workcenter of Jerzy Grotowski and Thomas Richards (com Mario Biagini e Thomas Richards na Fondazione Pontedera Teatro e no Workcenter of Jerzy Grotowski and Thomas Richards em Pontedera, Itália); Odin Week (com Eugenio Barba e Odin Teatret em Holstebro, Dinamarca); La Esencia del Actor a través del Movimento y La voz (com Yoshi Oïda no Estudio Dramático em Valência, Espanha); entre outros.

Em 2014, sua obra Homenagem a Oscar Niemeyer integrou permanentemente o acervo da Fundação Memorial da América Latina (São Paulo, SP, Brasil) e, também nesse ano, com a obra El Minotauro #2, ganhou em terceiro lugar dentro da categoria PHOTOGRAPHY no 2014 EMERGING EROTIC ARTIST CONTEST da Tom of Finland Foundation (Los Angeles, Estados Unidos). 

Organizou e traduziu, com Suianni Macedo, o livro Henri de Gissey de Paris: desenhista ordinário dos divertimentos e dos balés do Rei (1608 – 1675), de Anatole de Montaiglon; com Tales Frey e Suianni Macedo, o livro Cia. Excessos: Entre Arquivo e Práticas Contemporâneas; com Tales Frey, a catalogação Evocações da Arte Performática (2010-2013); e, por fim, com Tales Frey, organizou a autobiografia Quinze anos de minha vida, de Loïe Fuller.

 

Exposições Coletivas

[2017]

[em breve] Exposição coletiva À Maneira da Ferrugem. Curadoria de Raphael Fonseca. Centro Cultural da Justiça, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

[em breve] Exposição coletiva Ser ou Não Ser… Eis a Questão!? Curadoria de José Rosinhas. II Bienal Arte de Gaia, Vila Nova de Gaia, Portugal.

Exposição coletiva O Teu Corpo É Luta. Curadoria de Danillo Villa e Ricardo Basbaum. Arte Londrina 5, Casa de Cultura da Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR, Brasil.

Subterrânea #2 – Mostra Diversa Videoarte. @pyranhas, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Exposição coletiva Trânsitos Feministas. 19ª Semana Cultural da Universidade de Coimbra, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

 

[2016]

IV Video Raymi 2016. Curadoria de Andrés Cuartas, Ángel García Roldan, Jorge Luis Chamorro e Marco Valdivia. Casa de la Cultura Cusco, Cusco, Peru.

Exposição coletiva A Ilha. Curadoria de Susana Rodrigues. Sput&Nik The Window, Porto, Portugal.

27ª Mostra de Arte da Juventude. SESC Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

ESFORÇOS #2 – Mostra de Performances. Curadoria de Caio Riscado e Lucas Canavarro. Olho da Rua, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

4º Salão de Outono da América Latina. Galeria Marta Traba, Fundação Memorial da América Latina, São Paulo, SP, Brasil.

Exposição coletiva Em Tudo Quanto é Mundo Dito ou Não Dito. Curadoria de José Maia. Desobedoc 2016, Cinema Batalha, Porto, Portugal.

ENAPE – Encuentro Nacional de Performance. Centro de Arte y Filosofía, Pachuca de Soto, Hgo., México.

Exposição coletiva “Trees Outside the Academy #2”: Práticas Colectivas/ Collective Practices. Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, Guimarães, Portugal.

Mostra IP: Mostra Nacional de Vídeo, Intervenções e Performance. Atelier Codorna, Rio de Janeiro; Festival La Plataformance, Oficina Cultural Oswald de Andrade, São Paulo; Escola Estadual Francisco de Oliveira Filho, Santana, Amapá; Sebo no Chão e Praça Nauro Machado, São Luís, Maranhão; Estação Cultura e Associação Dell’Arte, Catanduva, São Paulo; Varandão CCE-UFSC, Florianópolis, Santa Catarina; Brasil.

Traverse Vidéo en Aveyron. Cinéma La Strada, Decazeville, França.

Exposição coletiva Sob (Ul)Trajes e Gozos. Curadoria de Suianni Macedo. Museu Júlio Dinis – Uma Casa Ovarense, Ovar, Portugal.

19ª Traverse Vídeo: l’Atypique Trouble. Museu de Arte Moderna e Contemporânea Les Abattoirs, Toulouse, França.

Mostra Brasil: Ficciones. Curadoria de Laurem Crossetti. Espacio Tangente, Burgos, Espanha.

Exposição coletiva Em Estado de Guerra. Organização e curadoria de Cia. Excessos (Paulo Aureliano da Mata e Tales Frey). Teatro Académico de Gil Vicente, Coimbra, Portugal.

 

[2015]

CÓDEC Festival de Vídeo Y Creaciones Sonoras. Cidade do México, México.

TRAFKINTU. Co-habitar III, Espaço Independente de Arte Contemporânea Gálvez Inc., Valparaíso, Chile.

Pornífero Festival de Arte Pós-Pornô | Itinerância do Festival de Lima/ PERU do evento Monstruosas: Subpolíticas e Descolonialidades. Espaço Casarão, Recife, PE, Brasil.

XVIII Bienal Internacional de Arte de Cerveira: Olhar o Passado para Construir o Futuro. Vila Nova de Cerveira, Portugal.

Exposição coletiva Maria de Todos Nós: 50 anos de Maria Bethânia, curadoria de Bia Lessa. Paço Imperial, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Fifth Under the Subway Video Art Night, com organização de Antonio Ortuño; curadoria de Antonio Ortuño (Nova York) e Ana Sanfrutos (Berlim); e organização em Berlim de Irene Cruz e Nati Grund). The ANNEX Art Social Space, Nova York, Estados Unidos; Project Space Kleiner Salon, Berlim, Alemanha.

Projeto transdisciplinar TRANS[acto]#01/2015. Concepção de Isabel Maria Dos. Coimbra, Portugal.

Exposição coletiva Múltiplas Perspectivas e Não Menos Contradições e Sonhos. Curadoria de José Maia. I Bienal da Maia: Lugares de Viagem. Fórum da Maia, Maia, Portugal.

Mostra de Performance XØKE. Micro Centro Cultural Casa Vermelha, Florianópolis, SC, Brasil.

Rapid Pulse International Performance Art Festival 2015: Video Series. Defibrillator Performance Art Gallery, Chicago, Estados Unidos.

Exposição coletiva (Tra)vestir um Fa(c)to. Curadoria de José Maia. Textos de André Masseno e Julia Pelison. Espaço MIRA, Porto, Portugal.

Exposição coletiva Amor Marginal. Curadoria de Susana Rodrigues e Ana D’Almeida. Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, Guimarães, Portugal.

Mostra Brasil: Ficções. Curadoria de Laurem Crossetti. Armazém do Chá, Porto, Portugal.

Exposição coletiva Beija-me. Organização e curadoria de Cia. Excessos (Paulo Aureliano da Mata e Tales Frey). SESC Ribeirão Preto, SP, Brasil.

 

[2014]

18º Salão de Artes Plásticas de Catanduva. Salão de Exposições, Estação Cultura, Catanduva, SP, Brasil.

Exposição Priscilla Davanzo: Lugares da Escrita. Curadoria de Paulo Aureliano da Mata e Tales Frey. Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, Guimarães, Portugal.

Exposição coletiva Vitrine de Projetos: Ensaios sobre a Fronteira. Curadoria de Angela Barbour. Galeria Marta Traba, Fundação Memorial da América Latina, São Paulo, SP, Brasil.

Exposição coletiva “Trees Outside the Academy”: Práticas Colectivas/ Collective Practices. Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, Guimarães, Portugal.

Performance-instalação/exposição Orexia, de Tales Frey (Cia. Excessos). Barracão Maravilha, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Exposição coletiva Moda e Religiosidade em Registros Corporais. Organização e curadoria de Tales Frey (Cia. Excessos). SESC Rio Preto, São José do Rio Preto, SP, Brasil.

Exposição coletiva Corpo (I)materializado. Curadoria de Paulo Aureliano da Mata e Tales Frey. Mostra Performatus #1, Central Galeria de Arte, São Paulo, SP, Brasil.

 

[2013]

Exposição coletiva Moda e Religiosidade em Registros Corporais. Organização e curadoria de Tales Frey (Cia. Excessos). SESC Campinas, SP, Brasil.

Exposição coletiva Moda e Religiosidade em Registos Corporais. Organização e curadoria de Tales Frey (Cia. Excessos). Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, Guimarães, Portugal.

Exposição coletiva Beija-me. Organização e curadoria de Cia. Excessos (Paulo Aureliano da Mata e Tales Frey). Estação Cultura, IV Festival de Formas Poéticas, Catanduva, SP, Brasil.

 

[2012]

Dzień Światła 2012. Organização e curadoria de Maciej Stawiński. Galeria Otwarta, Wrocław, Polônia.

 

Performances Ao Vivo

[2017] [em breve] Performance Estar a Par, de Tales Frey. AMOQA (Athens Museum of Queer Arts), Atenas, Grécia; Museo de Arte Contemporáneo de Bogotá, Bogotá, Colômbia.

[2017] Performance Sem Título (1995), de Erwin Wurm. Inserida na exposição do it de Hans-Ulrich Obrist na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto em Portugal.

[2016] Performance Be (on) You, de Tales Frey. III Bienal Internacional de Performance HORASperdidas, Monterrey, México; II Queer Porto, Espaço de Intervenção Cultural Maus Hábitos, Porto, Portugal.

[2013] Performance Aliança, de Cia. Excessos (Paulo Aureliano da Mata e Tales Frey). Exposição Beija-me realizada na Estação Cultura no IV Festival de Formas Poéticas em Catanduva, SP, Brasil.

[2012] Performance Dismorfofobia, de Tales Frey. Espaço de Intervenção Cultural Maus Hábitos, Porto, Portugal.

[2011] Performance Reciprocidade Desalmada, de Tales Frey. Associação Cultural Mercado Negro, Aveiro, Portugal.

[2009-12] Performance O Outro Beijo no Asfalto, de Tales Frey. Rua dos Clérigos na cidade do Porto, Portugal; no Stockholm Fringe Fest 2011 em Estocolmo, Suécia; no Rapid Pulse International Performance Festival da Defibrillator Performance Art Gallery de Chicago, Estados Unidos; e na 25ª Feira Franca do Palácio das Artes/ Fábrica de Talentos na cidade do Porto em Portugal.

 

Coleção Pública

Galeria Marta Traba, Fundação Memorial da América Latina, São Paulo, SP, Brasil.

 

Prêmio

[2014] Terceiro lugar com a fotoperformance El Minotauro #2 dentro da categoria PHOTOGRAPHY no 2014 EMERGING EROTIC ARTIST CONTEST da Tom of Finland Foundation (Los Angeles, Estados Unidos).

 

Residências artísticas

[2015-16] Fjúk Arts Centre. Húsavík, Islândia.

[2014] Casa do Sol – Instituto Hilda Hilst. Campinas, SP, Brasil.

 

Publicações

[2016] MATA, Paulo Aureliano da. “El Minotauro #4”. In: CLEARY, Sophia; GAYDOS, Katie; GLUZMAN, Yelena (eds.). Emergency Index Volume 5. Nova York: Ugly Duckling Presse, 2016. ISBN: 978-1-937027-75-9.

[2016] HENRIQUE, José Carlos. “Entrevista com Paulo Aureliano da Mata”. eRevista Performatus, Inhumas, ano 4, n. 15, jan. 2016. ISSN: 2316-8102.

[2016] MATA, Paulo Aureliano da; FREY, Tales (orgs.). Evocações da Arte Performática (2010-2013). Jundiaí, Brasil: Paco Editorial, 2015. ISBN: 978-85-462-0253-9.

[2015] MATA, Paulo Aureliano da; FREY, Tales; MACEDO, Suianni (orgs.). Cia. Excessos: Entre Arquivo e Práticas Contemporâneas. Jundiaí, Brasil: Paco Editorial, 2015. ISBN: 978-85-462-0307-9.

[2015] PELISON, Julia. “Cinco Manifestos Irrevogáveis sobre a Pele de Paulo Aureliano da Mata”. eRevista Performatus. Inhumas, ano 3, n. 14, jul. 2015. ISSN: 2316-8102; Espaço MIRA. Porto, Portugal. (Tra)Vestir um Fa(c)to: Catálogo. Porto: 2015. 22 p.

[2015] MATA, Paulo Aureliano da. “Romance Violentado”. In: FUNDAÇÃO BIENAL DE CERVEIRA. Vila Nova de Cerveira. XVIII Bienal de Cerveira de 2015: Olhar o Passado Construir o Futuro: Catálogo. Vila Nova de Cerveira: 2015. ISBN: 978-989-98515-1-1.

[2015] MATA, Paulo Aureliano da. “‘Livro da Mata’, Página 13: ‘Carta a Niemeyer'”. eRevista Performatus, Inhumas, ano 3, n. 13, jan. 2015. ISSN: 2316-8102.

[2014] HUPE, Ana. “‘Romance Violentado’, Título que É Livro em Si”. In: eRevista Performatus. Inhumas, ano 2, n. 9, mar. 2014. ISSN: 2316-8102.

[2013] MATA, Paulo Aureliano da. “‘Você Tem o Pincel, Tem Suas Tintas, Pinte o Paraíso e Depois Entre Nele’: Uma Entrevista Performática com Suzana Queiroga”; “‘You have the brush, you have your paints; paint your Paradise and then get into it’: a performance interview with Suzana Queiroga”. In: QUEIROGA, Suzana. Olhos d’Água: Suzana Queiroga. Trad. de Ana Ban. Rio de Janeiro: Coletiva Projetos Culturais, 2013. ISBN: 978-85-66873-01-6.

[2013] MATA, Paulo Aureliano da. “‘Você Tem o Pincel, Tem Suas Tintas, Pinte o Paraíso e Depois Entre Nele’: Uma Entrevista Performática com Suzana Queiroga”. eRevista Performatus, Inhumas, ano 1, n. 6, set. 2013. ISSN: 2316-8102.

[2013] POTY, Vanja; FONTES, Gustavo Rosa. “O Encontro Amoroso de Paulo Aureliano da Mata e Tales Frey em ‘Aliança’: Performance, Ritual e Respeito à Diversidade”. eRevista Performatus. Inhumas, ano 1, n. 4, mai. 2013. ISSN: 2316-8102.

 

 

-> Download Currículo e Portfólio do Artista (ambos em PDF para download)