Enredos para um Corpo (2018)

 

 

Paulo da Mata e Tales Frey desenvolvem suas pesquisas em parceria há cerca de uma década. Mais do que cocriadores, os dois também são parceiros no campo dos afetos e possuem uma relação em que amor e trabalho se conectam. Desse encontro nasce a Cia. Excessos e essa mistura possibilita a experimentação entre as artes visuais e performativas. Porém, como se nota nessa exposição, estas metades têm pesquisas individuais que, mesmo dialógicas, demonstram suas peculiaridades. Distribuída em duas salas, “Enredos para um Corpo” parte do elemento mais investigado pelos dois: o corpo humano.

Na pesquisa de Paulo da Mata, a figura humana aparece de modo virtual em registros fotográficos e em vídeo. As tatuagens e a possibilidade de escrever palavras e imagens em seu próprio corpo são formas recorrentes para se refletir, por exemplo, sobre a sexualidade, os relacionamentos amorosos e questões de gênero. O vídeo “Romance Violentado” e o cartão postal impresso em série para “El Minotauro” testam o público quanto aos seus limites perante o som e a visão que insinuam o sexo ou a nudez masculina. Já em “Eu Gisberta” o artista aciona o seu interesse no estudo da História e, por meio de uma tatuagem em seu rosto, escancara o nome e o caso de Gisberta, transexual brasileira assassinada de forma brutal em 2006, no Porto, em Portugal – a mesma cidade em que os dois artistas vivem há dez anos.

Enquanto isso, a pesquisa de Tales Frey advém de sua experiência com as artes cênicas. O artista está interessado na sua presença física perante o olhar do público e seus trabalhos muitas vezes acontecem de maneira efêmera. O vídeo que compõe “The Other Asphalt Kiss” [O Outro Beijo no Asfalto] traz essa relação desde o seu título, uma citação à peça “O Beijo no Asfalto”, de Nelson Rodrigues. Duas pessoas se beijam no espaço público; o homem está vestido de noiva e seu par é uma mulher vestida de noivo. O vídeo traz um pouco do incômodo gerado quando algo foge, mesmo que sutilmente, da heteronormatividade. Enquanto isso, em “Re-banho” novamente a sexualidade é abordada, porém em relação à religião cristã. Um grupo de pessoas lava suas partes do corpo perante uma igreja e lembramos dos atos de censura e cerceamento impostos por diferentes religiões quanto à potência libertadora do sexo.

Por fim, “Estar a Par” é o trabalho mais recente mostrado e também executado em parceria. Assim como os outros trabalhos refletem, a partir do corpo, sobre sexualidade, homoafetividade e violência, nessa conjunção entre vídeo, objeto e performance, os artistas trazem essa discussão para uma interseção com sua própria relação afetiva. Dois pares de sapatos são transformados em uma única peça que, calçada pelos dois, possibilita uma dança que envolve cautela para que ambos performers não caiam.

O ato de se envolver em uma relação tão duradoura – assim como a opção por pinçar temas tão cautelosos nos tempos recentes – é certamente um balanço entre construção e queda, confiança e precaução. Esses são alguns dos enredos compostos por Paulo da Mata e Tales Frey para os seus corpos. Fica o convite à fruição por parte do público e o desejo de que os espectadores também sejam capazes de relacionar esses enredos com os seus próprios – independentemente de credo.

 

Raphael Fonseca

curador

 

 

OBRAS

1) Tales Frey, Re-banho, 2010. Vídeo, 11’33”;

2) Paulo da Mata, Eu Gisberta. Body art realizada na cidade do Porto, Portugal. Maio de 2015. Fotografia de Tales Frey, 100 x 100 cm;

3) Paulo da Mata, Romance Violentado, 2011. Vídeo, 4’30’’;

4) Paulo da Mata, El Minotauro #1, 2014. Fotografia e Cerâmica, 20 x 20 x 5 cm | Paulo da Mata, El Minotauro #4 – Veste, 2015. Impressão sobre tecido, 36 x 36 cm;

5) Paulo da Mata, El Minotauro #3, 2014. Cartão-postal e texto, 20 x 35,5 cm ; 35,5 x 92,5 cm;

6) Paulo da Mata, El Minotauro #4, 2015. Vídeo, 1’15’’ | Tales Frey, The Other Asphalt Kiss, 2012. Vídeo, 4’01’’ | Tales Frey, Estar a Par, 2017. Vídeo, 3’50’’;

7) Tales Frey, Estar a Par – Objeto, 2017. Objeto, 63 x 12 x 11,5 cm.

 

 

Exposição Enredos para um Corpo (2018), de Paulo da Mata e Tales Frey, com curadoria de Raphael Fonseca. Centro Cultural da Justiça Federal, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Fotografias de Tales Frey

 

FICHA TÉCNICA

em breve.