The Body Never Exists In Itself – First Experimentation (2018)

 

Exposição desenvolvida em âmbito de uma residência artística realizada na Zsenne Art Laboratory em Bruxelas, Bélgica, no período de 17 a 29 de setembro de 2018.

Além de trabalhos já realizados anteriormente por Tales Frey, como é o caso das obras “Estar a Par” e “Ponto Comum”, neste open studio, são expostas três criações desenvolvidas in loco: a instalação “Do New Poses as Many Times as You Can”, o vídeo e o objeto de “Il faut souffrir pour être belle” e “Sensitive Group”.

 

OBRAS

 

1) Tales Frey, Faça Novas Poses pelo Tempo que Puder, 2018. Instalação, (medida);

2) Tales Frey, Ponto Comum, 2017. Videoperformance, (tempo);

3) Tales Frey, Conjunto Sensível, 2018. Objeto relacional, (medida);

4) Tales Frey, Il faut souffrir pour être belle, 2018. Objeto, (medida);

5) Tales Frey, Estar a Par, 2017. Videoperformance, (tempo);

6) Tales Frey, Il faut souffrir pour être belle, 2018. Videoperformance, (tempo).

 

Exposição The Body Never Exists In Itself – First Experimentation (2018), de Tales Frey. Zsenne Art Laboratory, Bruxelas, Bélgica. Fotografias de (nome)

 

FICHA TÉCNICA

Tales Frey: The Body Never Exists In Itself – First Experimentation

De 17 a 29 de setembro de 2018.

Zsenne Art Laboratory, Bruxelas, Bélgica.

Agradecimentos: Andrea Morado, Daniel Linehan, Eve Bonneau, Luc Emiel Rooman, Michael Helland e Vincenzo Carta.

 

Tales Frey, Conjunto Sensível. Objeto relacional ativado na cidade de Bruxelas, Bélgica. Mês de Ano. Fotografias de X

 

Tales Frey, Conjunto Sensível. Objeto relacional ativado na cidade de Bruxelas, Bélgica. Mês de Ano. Fotografias de X