O Corpo Nunca Existe em si Mesmo – Primeiro Experimento (2018)

 

Exposição desenvolvida no âmbito de uma residência artística realizada no Zsenne Art Laboratory, em Bruxelas, Bélgica, de 17 a 29 de setembro de 2018.

Além de obras já realizadas anteriormente por Tales Frey, como é o caso das obras “Estar a Par” e “Ponto Comum”, três criações desenvolvidas in loco foram exibidas: a instalação “Do New Poses as Many Times as You Can Can”, o vídeo e o objeto de “Il faut souffrir pour être belle” e o indumento interativo “Conjunto Sensível”.

 

Exposição individual de Tales Frey

Agradecimentos: Andrea Morado, Daniel Linehan, Eva Bonneau, Luc Emiel Rooman, Michael Helland e Vincenzo Carta

 

OBRAS

 

1) Tales Frey, Faça Novas Poses Quantas Vezes Puder, 2018. Instalação, 170 x 80 cm;

2) Tales Frey, Ponto Comum, 2017. Videoperformance, 2’44’’;

3) Tales Frey, Conjunto Sensível, 2018. Objeto performativo, 60X60cm;

4) Tales Frey, Il faut souffrir pour être belle, 2018. Objeto performativo, 6cm cada;

5) Tales Frey, Estar a Par, 2017. Videoperformance, 3’55’’;

6) Tales Frey, Il faut souffrir pour être belle, 2018. Videoperformance, 2’03’’.

 

Exposição The Body Never Exists In Itself – First Experimentation (2018), de Tales Frey. Zsenne Art Laboratory, Bruxelas, Bélgica

 

FICHA TÉCNICA

Tales Frey: The Body Never Exists In Itself – First Experimentation

De 17 a 29 de setembro de 2018.

Zsenne Art Laboratory, Bruxelas, Bélgica.

Agradecimentos: Andrea Morado, Daniel Linehan, Eve Bonneau, Luc Emiel Rooman, Michael Helland e Vincenzo Carta.

 

Tales Frey, Conjunto Sensível. Objeto relacional ativado na cidade de Bruxelas, Bélgica. Setembro de 2018

 

Tales Frey, Conjunto Sensível. Objeto relacional ativado na cidade de Bruxelas, Bélgica. Setembro de 2018