Livro “Cia. Excessos: Entre Arquivo e Práticas Contemporâneas”, de Paulo A. da Mata, Tales Frey e Suianni Macedo (orgs.)

 

 

CIA. EXCESSOS: ENTRE ARQUIVO E PRÁTICAS CONTEMPORÂNEAS

Organizadorxs _ Paulo Aureliano da Mata, Tales Frey e Suianni Macedo

Autorxs _ Ana Cristina Joaquim, Ana Hupe, André Luiz Rodrigues Bezerra, André Masseno, André Rosa, Angela Moss, Chrystine Silva, Cia. Excessos, Dinah Cesare, Élle de Bernardini, Fernanda Carlos Borges, Gustavo Rosa Fontes, José Carlos Henrique, Julia Pelison, Juliana Pinho, Júlio Minervino, Maciej Stawiński, Mafalda Remoaldo, Marcela Tavares, Mayara Amaral, Paulo Aureliano da Mata, Raphael Fonseca, Renan Marcondes, Rita Xavier Monteiro, Suianni Macedo Cordeiro, Tales Frey, Thais Nepomuceno e Vanja Poty

Revisão ortográfica _ Marcio Honorio de Godoy

Editora _ Paco Editorial

ISBN _ 978-85-462-0307-9

 

Paulo Aureliano da Mata e Tales Frey são os criadores da Cia. Excessos e da eRevista Performatus. O casamento de ambos, rigorosa e esteticamente documentado, é um ato político e artístico. Muito mais do que uma “companhia” performática, a Cia. Excessos, fruto desse compromisso, é uma forma revolucionária de entender o processo artístico: nela o artista não termina a performance e vai embora – ele é a performance. Fundada sob o signo da transdisciplinaridade, transita por todas as áreas que significam arte. Os artistas aqui são também pesquisadores, produtores e organizadores. O livro Cia. Excessos: Entre Arquivo e Práticas Contemporâneas se dá sob a égide do pertencimento ao criar uma identificação profunda com os artistas estudados, transformando assim a crítica em participação. Todas essas características tornam esse livro único no gênero. Ao transitar por todos os mundos, ele nos conta também uma história de processos, de conhecimentos e de atitudes. Seja como manifesto, estudo das tendências para uma arte do futuro, ou documentação sobre performance, a leitura destes textos lança uma luz fundamental sobre a estética contemporânea e a luta por manifestações artísticas livres não apenas de conceitos, mas em sua natureza.

Angela Moss