Tales Frey

Segundo Bate-Boca

 

Tales Frey (Cia. Excessos), Segundo Bate-Boca (Políptico), 2014. Fotografias, 30 x 53,3 cm cada. Edição: 3 + 2 P.A.

 

Segundo Bate-Boca não é um beijo entre dois homens. É a colisão de duas bocas masculinas que disputam o monopólio de um discurso, sendo que cada performer tenta arrancar a língua do seu companheiro/rival como forma de silenciar o verbo que seria proliferado por esse outro. O artifício do sangue (constituído de mel e corantes alimentícios) emerge como um gozo, enfatizando o prazer existente no ato de calar o outro através do suposto corte da língua alheia e não no sabor adocicado capaz de proporcionar o deleite às duas bocas que se conectam.

 

HISTÓRICO

[2016] Exposição coletiva Em Estado de Guerra. Organização e curadoria de Cia. Excessos (Paulo Aureliano da Mata e Tales Frey). Teatro Académico de Gil Vicente, Coimbra, Portugal.

[2014] Performance-instalação/exposição Orexia de Tales Frey (Cia. Excessos). Barracão Maravilha, Rio de Janeiro, Brasil.

 

Tales Frey (Cia. Excessos), Segundo Bate-Boca, 2014. Vídeo, 6’10”. Edição: 3 + 2 PA