O Que Vem Depois da Esperança? (2022)

 

Fotografia de Carolina Ribeiro

 

Em busca de visibilidade, empoderamento, sentimento de pertença e representatividade TRANS* em Portugal, a palestra-performance-oficina “O Que Vem Depois da Esperança?” reflete criticamente sobre como as corpas das pessoas fora da norma imposta de sexo-gênero-desejo foram construídas e representadas midiaticamente através dos tempos no imaginário de Portugal.
Sendo uma produção do Teatro Universitário do Porto, essa palestra-performance-oficina conta com a direção artística da artista transfeminista Hilda de Paulo, assistência, cenografia e direção de arte de Tales Frey, suporte de pesquisa do Arquivo Gis e textos de Ave Terrena, e, em cada sessão frequentada, um Certificado de Frequência é atribuído.
As histórias que serviram de inspiração para a elaboração desta criação, além das próprias histórias de cada integrante da equipe (considerando as identificações e estranhamentos) são múltiplas e fazem parte do Arquivo Gis, o qual foi organizado e tem sido permanentemente atualizado por Hilda de Paulo, com intuito de conhecer e, principalmente, de trazer à luz as representações das pessoas TRANS* de Portugal.
Esse levantamento de informações busca honrar a obstinação das pessoas que sempre foram injustamente estigmatizadas na nossa cultura tão cisheterocentrada e, também, propõe resgatar as suas transcestralidades num movimento oposto ao da História sempre escrita com H maiúsculo.
A partir de uma reconhecida minusculinidade perante ao sistema hegemônico, entre rebarbas e migalhas de sobrevivência atiradas a esmo para as pessoas TRANS* nas últimas décadas, Hilda de Paulo reuniu artigos jornalísticos, entrevistas de televisão, documentos históricos, livros biográficos e autobiográficos num arquivo chamado Gis, que faz femenagem a travesti brasileira Gisberta Salce.

 

Informações

31 de março -> 03 de abril | quinta a sábado às 21h -> domingo às 19h (com LGP)

DATAS EXTRAS • 09 e 10 de abril | sábado às 21h -> domingo às 19h (com LGP)

mala voadora • Rua do Almada 277 Porto

 

PROGRAMAÇÃO PARALELA

TUP em residência

De 24 de novembro a 26 de dezembro de 2021 | mala voadora, Porto, Portugal

Residência artística com as artistas Hilda de Paulo e Ave Terrena para criação da dramaturgia da palestra-performance “O Que Vem Depois da Esperança?” na mala voadora. 

 

Fotografias de Carlos Campos

 

De 06 a 18 de março de 2022 | CRL-Central Elétrica, Porto, Portugal

De 21 a 30 de março de 2022 | mala voadora, Porto, Portugal

Residência artística com a artista Hilda de Paulo e elenco para estruturação da palestra-performance-oficina “O Que Vem Depois da Esperança?”. 

 

Conversa pós-palestra-performance

02 de abril de 2022 | mala voadora, Porto, Portugal

Conversa após a apresentação da palestra-performance-oficina “O Que Vem Depois da Esperança?”.

 

Lançamento do livro O Que Vem Depois da Esperança?

Outubro de 2022

Organizado por Hilda de Paulo, com textos de Amara Moira, Ave Terrena, Caio Jade, Letícia Nascimento, Maíra Freitas e Tales Frey, e entrevista com Tiago Aires Lêdo e outres artistas, e publicado pela Editora Urutau.

 

FICHA TÉCNICA

Conceito, Direção Artística, Encenação, Figurino e Pesquisa: Hilda de Paulo | Assistência de Encenação, Direção de Arte e Cenografia: Tales Frey | Dramaturgia: Ave Terrena e Hilda de Paulo | Interpretação: Bárbara Sá, Gonçalo Albuquerque, Gui Gaspar, Gui Silvestre, Hilda de Paulo e Tiago Aires Lêdo | Interpretação com Língua Gestual Portuguesa: Cláudia Braga | Texto da Brochura de Sala: Hilda de Paulo e Maíra Freitas | Luz: Gui Gaspar | Costureira: Olga Machado | Construção da Estrutura do Cenário: Edmilson dos Santos | Cabelo: Natacha Cutler | Caracterização: Gui Silvestre e Tales Frey | Nail Art: Caliente Nail Art Porto | Assessoria de Imprensa: Sara Cunha | Ilustração: Lino Arruda | Participação no Livro: Amara Moira, Ave Terrena, Caio Jade, Hilda de Paulo, Letícia Nascimento, Maíra Freitas, Mariana Duarte, Tales Frey e Tiago Aires Lêdo | Design Gráfico e Editorial: Giuliane Sampaio/Cabe Letra Aqui | Fotografia: Carlos Campos | Residências: CRL-Central Elétrica, mala voadora e Túnel | Produção: Teatro Universitário do Porto | Apoio: ArtWorks e Concurso Anual de Apoio à Criação Criatório 2021/Câmara Municipal do Porto | Parceria: Arquivo Gis, Caliente Nail Art Porto, CRL-Central Elétrica, Editora Urutau, mala voadora, Natacha Cutler, Odete Bakery e Túnel | Agradecimentos: Alícia Medeiros, Aura Fonseca, Bárbara Iara, Coletivo Berro, Fabiano Fernandes, Francisca Marques, Fred Paranhos, Isabeli Santiago, Lila Fadista, Lola Rodrigues e Tânia Dinis | mala voadora, Porto, Portugal, 2022

 

Fotografias de Guilherme Oliveira e João Coelho

 

Texto de Maíra Freitas incluído na brochura de sala da palestra-performance-oficina “O Que Vem Depois da Esperança?”:

NOTAS SOBRE A PALESTRA-PERFORMANCE-OFICINA “O QUE VEM DEPOIS DA ESPERANÇA?”

Maíra Freitas [1]

 

É preciso ter esperança, mas ter esperança do verbo esperançar. Porque tem gente que tem esperança do verbo esperar. E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera. Esperançar é se levantar, esperançar é ir atrás, esperançar é construir, esperançar é não desistir! Esperançar é levar adiante, esperançar é juntar-se com outros para fazer de outro modo. — Paulo Freire

 

A palestra-performance-oficina, com direção e dramaturgia da artista brasileira Hilda de Paulo, corporificada pelo elenco do Teatro Universitário do Porto, lança uma pergunta perturbadora: o que vem depois da esperança? Perturbadora por ser uma oferenda dada com espelho que devolve a nossa justa imagem de sociedade pretensamente democrática onde somente alguns têm garantidos seus direitos civis e políticos, onde nem todas somos cidadãs.

Escrevo daqui, do Brasil, terra onde tudo que se planta dá: desigualdade social; genocídio do povo negro e indígena; índices recordes de transfeminício; fome; um estupro oficialmente reportado a cada dez minutos – sendo três deles de crianças e vulneráveis; desmatamento galopante; agrotóxicos em todas as mesas; corrupção. E, também, brota nessa terra resistência, coletividade, aquilombamento, queerlombismo, essas ervas que a colonialidade do poder teima em chamar de daninhas e que aprendemos a cultivar desde que as primeiras caravelas chegaram. O Brasil espoliado de ontem entrega generosamente mentes brilhantes para o Portugal de hoje, há que se reconhecer os saberes do sul global que lutam diariamente por espaços de visibilidade no Velho Mundo contemporâneo. Há que se interromper o epistemicídio que vigora desde o período colonial.

Penso que a esperança nasce do medo, da injustiça e da violência. De um gesto transgressor em meio à espera por tempos melhores, por um outubro em brasa vermelha, por uma terra outra que se faça aqui nesse mesmo chão. A esperança ganha corpo com palavra, a palavra é pensamento corporificado e de banal não possui nada. Nomear personalidades invisibilizadas, contar suas histórias, dar a ver a intelectualidade e saberes de uma comunidade estruturalmente colocada como subalterna. “Nomear a norma[2], aquele lugar ocupado como verdadeiro, imarcável, suposto grau zero da existência humana a quem tudo pertence e todas as estruturas do Estado se voltam para proteger e manter vivo. Nomear a cisgeneridade [3], aqueles sujeitos que ocupam um lugar de identificação e/ou obediência ao gênero que lhes foi atribuído ao nascer a partir da leitura biológica e genitalocêntrica, nos termos de Lara Crespo. Nomear os transfóbicos, nomear os masculinistas, nomear os racistas, nomear os xenofóbicos. Essas nomeações fazem parte do processo de semeadura por terras onde violências cisheteronormativas (aquelas imputadas à corpas que não obecedem às normas de gênero e sexualidade) não encontrem terreno fértil e morram à míngua de suas próprias covardias.

O texto dramatúrgico de Hilda de Paulo e Ave Terrena abandona a espera e se vale da esperança enquanto ato, como nos ensinou Paulo Freire, o patrono da educação brasileira que na atualidade política de nossa terra é alvo de escárnio e desprezo. O ato de contar estórias sobre aquelas que foram arrancadas da História é gesto de coragem e reparação. É marcar a importância da representatividade, com artistas dissidentes de gênero dando voz e corpo a personagens que partilham de seus marcadores identitários, combatendo diretamente o transfake – termo cunhado pela atriz brasileira Renata Carvalho, em aproximação ao termo blackface.

E, talvez, o desejo maior dessas corpas falantes que estiveram no palco seja o de construir democracia para todes a partir da educação. Se o Teatro Experimental do Negro, fundado pelo teórico, artista e político afrobrasileiro Abdias Nascimento em 1944, partiu do desejo de alfabetizar, capacitar profissionalmente e fomentar crítica social, também há em “O que vem depois da esperança?” o desejo de partilhar conhecimento através das artes do corpo, cumprindo o projeto político-pedagógico sonhado por Paul Preciado com as multidões queer.

Educar para levantar corpos e mentes derrubados pelo coma ciscolonial, aquele que a colonialidade do poder criou: lastro normativo e repressivo do período colonial que impera nos arranjos políticos e societários pelo sistema-mundo afora e que ensinou formas de ser restritas às experiências generificadas. É preciso desnaturalizar a cultura, entender seu contorno arranjado, fabulado, fabricado e que somente se coloca como norma aquela – a cultura – que teve ou tem poder de dominar e corrigir qualquer traço de desvio da norma.

Eu, mulher-cisgênera-brasileira-parda-mãe-solo-lésbica-trabalhadora-da-arte-e-da-educação, precisei me educar para compreender que os marcadores sociais da diferença [4] contornam e limitam a trajetória, os acessos, as possibilidades de uma vida plena em direito. Enquanto mulher cisgênera me vejo diretamente implicada com o caráter educativo da palestra-performance-oficina “O que vem depois da esperança?”, sou aluna. E agradeço à chance de conhecer, doze anos depois de partir de Portugal, algumas das biografias de pessoas trans que viveram no chão daí.

Agradeço também a partilha de saberes sobre a vida como impermanência e fazimento de si, à palestra- performance-oficina que ocupa o espaço com vozes e palavras e corpas, um gesto de revolta à invisibilidade que nos convoca a assumirmos todes a responsabilidade pela produção de gênero. “O que vem depois da esperança?” espelha quem não se olha e pergunta do trivial ao complexo da questão: “Aqui, na cidade do Porto, quantas pessoas TRANS*, travestis, já te atenderam na Farmácia Barreiros?”. Ganhamos um convite a olharmos a cisnormatividade com estranhamento até estranharmos a nós mesmas e reparar os absurdos sociais que se colocam como naturais.

“O que vem depois da esperança?” é uma horta cheia de sementes generosamente plantadas, que saibamos cultivar e multiplicar território onde democracia signifique direito à vida digna para toda corpa. O que se encontra depois da esperança não é terra situada após o cabo, é corpo. E corpo não é território para grileiros se apossarem.

 

NOTAS

[1] Maíra Freitas (1985, Campinas-SP, Brasil) é artista, pesquisadora, curadora e arte-educadora. Também mulher cisgênera, parda, lésbica e mãe solo. Sua pesquisa poética parte do desejo de criticizar as relações entre cultura e natureza e desdobra-se em múltiplas linguagens, passando pela arte do vídeo, fotografia, pintura expandida, instalação e arte têxtil. Doutoranda em Artes Visuais (Unicamp), dedica-se ao estudo das artes do vídeo e suas relações com gênero, sexualidade e racialidade.

[2] “Nomear a norma” é a primeira lição da artista e teórica brasileira Jota Mombaça em seu fundamental texto “Rumo a uma redistribuição desobediente de gênero e anticolonial da violência!”.

[3] Para aprofundar a compreensão sobre a categoria cisgeneridade, as produções teóricas da pesquisadora em linguística Beatriz Pagliarini Bagagli são fundamentais.

[4] Para aprofundar estudos sobre diferença – conceito de base filosófica derridiano – e identidade, os estudos das teóricas brasileiras Guacira Lopes Louro e Tomaz Tadeu da Silva são grandes contributos.

 

Fotografias de Paulo Pimenta

 

Fotografia de Guilherme Oliveira e João Coelho

 

Clipping

JPN-JornalismoPortoNet – 9 de abril de 2022

Público – 31 de março de 2022

Ágora Cultura e Desporto – 31 de março de 2022

Sapo Mag – Lusa – 29 de março de 2022

Revista Dezanove – 28 de março de 2022

 

Programa N’Agenda, Porto Canal, 27 de março de 2022