Tales Frey

Dismorfofobia

 

Tales Frey (Cia. Excessos), Dismorfofobia. Performance realizada na cidade do Porto, Portugal. Março de 2012. Fotografia de Marta Bernardes

 

Esta performance faz uma exposição dos corpos vigentes na sociedade contemporânea, seja através da narrativa fragmentada em fuga à logica unidimensional, ou ainda sob o apoio das imagens bidimensionais presentes em outdoors, revistas e telas de cinema e televisão. A atual sociedade de consumo, de característica hedonista e narcisista, persegue incessantemente uma reprodução dessas “imagens-normas” ditadas pela mídia.
 Dismorfofobia (transtorno dismórfico corporal) revela corpos permanentemente insatisfeitos com suas próprias representações diante de espelhos, que refletem imagens distorcidas, imprecisas, deformadas num âmbito psicológico, mas naturalmente verossímeis com relação ao plano real.

 

FICHA TÉCNICA

Concepção: Tales Frey | Performers convidados: Lizi Menezes, Paulo Aureliano da Mata, Tânia Dinis, Thais Nepomuceno e Xana Miranda | Duração: 10 minutos | Realização: Cia. Excessos | Porto, Portugal 2012

 

HISTÓRICO

AO VIVO

[2012] Tômbola Show. Curadoria de Marta Bernardes. Espaço de Intervenção Cultural Maus Hábitos, Porto, Portugal.

 

SOB FORMATO VÍDEO E/OU FOTOGRAFIA

[2014] Exposição coletiva Moda e Religiosidade em Registros Corporais. Organização e curadoria de Tales Frey (Tales Frey). SESC Rio Preto, São José do Rio Preto, Brasil.

[2014] Exposição coletiva Moda e Religiosidade em Registros Corporais. Organização e curadoria de Tales Frey (Tales Frey). SESC Campinas, SP, Brasil.

[2013] Exposição coletiva Moda e Religiosidade em Registos Corporais. Organização e curadoria de Tales Frey (Tales Frey). Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura – CAAA, Guimarães, Portugal.

 

Tales Frey (Cia. Excessos), Dismorfofobia, 2012. Vídeo, 7’05”. Edição: 5 + 2 P.A.

 

Tales Frey (Cia. Excessos), Dismorfofobia (Tríptico), 2012. Fotografias, 30 x 45 cm cada. Edição: 5 + 2 P.A.

 

Tales Frey (Cia. Excessos), Dismorfofobia, 2012. Fotografia, 29 x 51,6 cm. Edição: 5 + 2 P.A.

 

Sobre Dismorfofobia: Conversa com Tales Frey

Esta entrevista de Rita Xavier Monteiro foi publicada em: Mais Crítica (Março de 2013).

Foi no Espaço de Intervenção Cultural Maus Hábitos, no Porto, que Tales Frey nos interpelou, um a um (e eu tinha a rifa número 1), à entrada da salinha onde decorreu a performance. A voz meiga perguntava, em tom complacente, como se fosse fácil a resposta: – Quanto mede? Qual é o seu peso? Quer conferir? Balança, fita métrica em riste e marcador na mão direita eram oferecidos para calcular e registar as informações de cada um dos espectadores. – Não é preciso…, respondia um ou outro visitante. – Vou confiar – respondia Tales. Houve quem conferisse, houve também quem ficcionasse.

Em sua pesquisa e experimentação artística, Tales Frey diz-se movido pelo hibridismo artístico, apresentando propostas que se movimentam entre as modalidades do teatro, videoarte, performance, videoperformance e fotografia.

Com Paulo Aureliano da Mata, ambos brasileiros que vivem e trabalham em Portugal, funda, em 2008, a Cia. Excessos, desenvolvendo uma ponte criativa entre os dois lados do atlântico.

Em Dismorfofobia, inserida no projeto Tômbola Show, comissariado por Marta Bernardes, as rifas vendidas prometiam a celebração de uma beleza sorteada.

A performance fala-nos de como o império colorido das estrelas de cinema, das misses, das manequins, do star-system e da sociedade de mediação sensacionalista tomou o território de todos os nossos desejos, sujeitando-nos a uma obediência solitária ao jogo de mercado: o de experimentar o corpo e a vida.

Num processo de fragmentação e desconstrução que irrompe também da fusão das modalidades artísticas, Tales pensa os corpos inadaptados e inadequados para problematizar a autorrepresentação na arte e na construção da identidade.

Diante de telas e espelhos distorcidos, num esforço do eu descobrir-se a si próprio, Dismorfofobia é a metáfora especular de um Narciso enganado pelo seu reflexo.

 

RITA XAVIER MONTEIRO: Durante a performance, pensei em Le Breton, quando diz que na contemporaneidade o espaço que separa o homem do seu corpo se estendeu. Tens vindo a trabalhar a consciência identitária e de corpo próprio na sua relação com padrões culturais e sociais. Enquanto performer, interessa-te, sobretudo, o questionamento da sociedade atual?

 

TALES FREY: Nas figurações artísticas que tenho proposto, sejam elas concretizadas através de uma performance, de uma série fotográfica, de uma videoarte, de um espetáculo híbrido, ou o que for, eu tenho sim me dedicado às questões presentes no meu cotidiano, portanto abordo como tema, fatalmente, a sociedade atual.

Dismorfofobia, por exemplo, é uma performance na qual reúno um punhado de discursos oriundos dos variados meios com os quais temos contato diariamente. Retirei da minha caixa de e-mail alguns “spams” que emergem com seus chamarizes “milagrosos”, como, por exemplo, “perca 10 quilos em uma semana”, ou ainda, “aumente o tamanho do seu pênis”. Receitas de dietas, promoções em aplicações de silicone, de implantes corporais diversos, aplicações de botox etc. Isso revela uma sociedade pouco confortável com a forma natural dos corpos que a preenchem, uma sociedade formada por sujeitos que estão insatisfeitos com suas próprias imagens. Essas propagandas evidenciam o quanto o sujeito atual está preocupado com a autoimagem e como o mercado funciona com relação a isso. Vejo corpos que podem literalmente buscar determinadas modificações através da compra (em até 10 vezes no cartão e sem juros).

Engraçado notar essa busca incessante por uma individualidade, por uma construção de uma exclusividade e, ao mesmo tempo, por uma reprodução de um determinado ideal (ideia que pressupõe réplica), o que acaba por ser contraditório. Isso tudo está explícito em Dismorfofobia. Modelos de beleza são ditados pelo universo mediático e seguidos à risca pela sociedade atual, escrava dos corpos magros e de todo padrão que lhe garanta uma maior aceitação social. Tenho procurado subverter essas ideias nos meus trabalhos e me esforçado para que elas surtam algum efeito nos espectadores/participantes/receptores que estão presentes nas exibições das minhas criações.

 

RITA XAVIER MONTEIRO: Em Dismorfofobia há um jogo interessante entre a beleza real e a ficcionada que convoca este distúrbio psicológico e a ideia de corpo perfeito veiculado pelos meios de comunicação. De que forma tais questões são abordadas na peça?

 

TALES FREY: Primeiramente, escrevi um texto. Uma narrativa desvirtuada, sem coesão nas construções das frases. Um discurso esquizofrênico. Nesse discurso enviesado, imprimi o arsenal de “lixos psíquicos” que são cotidianamente absorvidos dos meios de comunicação. Faço, por vezes, discursos contra essa cultura doentia que segue os padrões corporais ditados sem nenhum filtro, ao mesmo tempo que exponho, de forma irônica, é claro, discursos de apologia à anorexia e à bulimia.

Dismorfofobia é a síndrome da distorção da imagem, ou seja, corresponde a um distúrbio de sujeitos que não se veem como realmente são e nunca estão satisfeitos com suas formas naturais e, mesmo alterando-as, continuarão insatisfeitos. Não estaria a sociedade atual completamente disposta a assumir tal distúrbio quando esta está formada por tantos indivíduos que descartam as próprias aparências em prol de um consumo descontrolado de imagens vigentes na televisão, nos outdoors, nas revistas e editoriais de moda?

Pensando nisso, pedi para cinco artistas (que participaram da performance) revelarem o que não aprovavam em seus corpos. Em seguida, pedi que me apresentassem imagens dos seus referenciais de beleza e, sem me surpreender, quase todas as imagens eram de pessoas magras e que se enquadravam nos moldes estipulados por “belos” (considerando o senso comum da atual sociedade, que contempla o padrão europeu de aparência).

Juntei tais imagens dos referenciais que esses artistas me mostraram para, então, criar placas de espelhos com o contorno de cada um dos referenciais, exatamente na pose que eles se encontravam na imagem apresentada. O resultado foi o de uma figura geométrica, pois incluí o vestuário dos referenciais no recorte dessas formas espelhadas. A altura de cada espelho correspondeu à altura de cada um dos performers. Propus, daí, que os cinco artistas (que colaboraram como performers nesse trabalho), desfilassem por trás de uma tela branca de forma mecânica, projetando então sombras de corpos estranhos, quase robóticos, pós-humanos, timbrados em cores vibrantes pelo auxílio da combinação RGB de iluminação.

Na peça, o público permaneceu entre duas telas, quase não tinha contato direto com os performers da ação, sendo uma tela a que foi descrita e, a outra, uma tela transparente com a projeção de um vídeo em que arrumo o cabelo de forma frenética durante sete minutos. Eu, no plano ao vivo, tento fixar a imagem em movimento, construo uma nova imagem enquanto destruo a imagem antiga do vídeo, cujo instrumento para tal feitio é a mesma tinta que tinge cada fio de cabelo meu antes de dar início à ação.

Nas duas telas, ao contrário das telas de cinema, de televisão, das imensas superfícies de outdoors, procurei expor corpos deformados, transfigurados, que eram distorcidos sob o áudio que continha a narrativa textual. A minha voz a narrar também foi apresentada de forma adulterada. Nada era natural e isso coincide com as imagens bidimensionais que nos servem como referenciais.

O “ritual de passagem” que estabeleci na entrada era justamente para expor a dificuldade que cada indivíduo tem ao falar de dados concretos que formam sua aparência. O peso, a altura, enfim, as medidas corporais, parecem ser tabu, mesmo estando ali, diante de nossos olhos, imagens corporais que naturalmente correspondem a tais medidas, que, inclusive, já são previstas. Mesmo assim, havia quem mentisse altura e peso e que não se rendia à conferência na balança e na fita métrica que ali dispus. É a ideia do corpo perfeito que faz existir essa neurose generalizada. Neurose que foi impiedosamente (embora de forma sutil) explanada antes de iniciar a peça. Queria que os espectadores percebessem alguma mudança entre o antes da ação e o depois da ação. Queria que o espetáculo funcionasse com o poder de eficácia de um ritual que conjetura transformação.

 

RITA XAVIER MONTEIRO: De um lado, o desfile de corpos por trás de uma tela, exibindo roupagens geométricas e sorrisos forçados. Do outro, estás tu e um vídeo onde te autorretratas. Inicias então essa “fixação da imagem em movimento” por meio da mancha de tinta negra. Como se traçasses a tua própria existência e a diluísses, ao mesmo tempo, numa figura humana sem nome. O público está no meio. Há duas faces da mesma realidade: a do artista e a do mundo mediático que o rodeia. Queres esclarecer um pouco melhor essa relação?

 

TALES FREY: Há realmente o choque das duas faces da mesma realidade, sendo que a do artista é sustentada pela função de revelar, de se manifestar, de ironizar, de formar opinião a respeito de algo e, de outro lado, a desse mundo mediático a que você se refere, mundo que exerce fascínio, que quer persuadir, que quer encantar, cativar, atrair, conquistar adeptos.

Enquanto artista, a minha relação é a de intermediar, é exercer a função de mediador entre uma face e outra, sendo que funciono como receptor das mesmas informações que todos os demais sujeitos recebem, mas tenho um especial papel que é o de fazer pensar sobre o que absorvemos. Assim faz o artista, o sociólogo, o antropólogo, o filósofo e todos que tenham que refletir sobre condutas humanas e relações sociais.

 

RITA XAVIER MONTEIRO: Há uma relação inevitável da autorrepresentação e um carácter performativo em teus trabalhos restantes. Podes falar um pouco da projeção da série Videopolaroid e no teu interesse em explorar várias modalidades artísticas?

 

TALES FREY: Há tempos que queria expor essa série de vídeos intitulada Videopolaroid, onde reuni seis vídeos em que revelo a ação anterior à da imagem fotográfica, ou seja, todo espaço percorrido no local escolhido, as propostas de poses e todo processo de criação até a imagem estática. Comecei esse trabalho em 2009, em Buenos Aires.

Por ser um trabalho apoiado na contraposição do analógico e digital, os vídeos têm um tom caseiro, pois são feitos com câmeras digitais, as quais produzem imagens com excesso de pixel, algo que não me incomoda minimamente e que dialoga muito bem com a ideia proposta, penso eu.

Faço, nessa concepção, a junção da imagem em movimento com a imagem imóvel, um registro em vídeo do registro fotográfico (um registro do registro). Faço, nesse trabalho, prevalecer a pilhéria, o deboche e exploro situações infames, mas também um universo trash e sombrio. É um trabalho bem-humorado e, talvez, um dos mais leves nesse aspecto com relação a todos os outros que criei até hoje.