Tales Frey

Finitas Contagens para Infinitas Variações

 

Tales Frey (Cia. Excessos), Finitas Contagens para Infinitas Variações. Performance realizada na cidade do Porto, Portugal. Janeiro de 2017. Fotografias de Paulo Aureliano da Mata, 6 x 9 cm cada. Edição: 7 + 2 P.A.

 

Finitas Contagens para Infinitas Variações é uma performance duracional fundamentada na noção de que a identidade não pode ser apresentada como uma unidade fixa; ela está em constante construção, multiplicando-se sempre em identidades movediças, com as quais nos identificamos apenas temporariamente.

A ação tem como referência o trabalho “Pose Work for Plinths” (1971) de Bruce McLean e culmina numa criação que relaciona a performance com a escultura, com a dança contemporânea e com o estilo musical noise. No espaço, vemos 3 plintos – sobre os quais o performer executa poses incessantemente –, um microfone, um pedal (looper) e um amplificador de som. Além das variadas poses, o performer realiza uma contagem em ordem crescente, com a sua voz ampliada, para cada uma das posturas ali erigidas, evitando repetições de composições corpóreas, variando timbres de vozes e impulsos nos seus trejeitos. Influencia e sofre influência dos estímulos instaurados externa e internamente. O looper é acionado logo no início da contagem, registrando gradativamente o emaranhado de números que se somam e que gradualmente tornam-se ruídos.

 

FICHA TÉCNICA

Performance de Tales Frey | Duração: 120’ | Realização: Cia. Excessos | Porto Portugal, 2017

 

Tales Frey (Cia. Excessos), Finitas Contagens para Infinitas Variações, 2017. Vídeo, 3’40’’

 

HISTÓRICO

[2017] Olhar Singular: Um Convite para Novas Perspectivas. Pinacoteca João Nasser, Catanduva, SP, Brasil.

[2017] SESC Registro. Registro, SP, Brasil.

[2017] Atmo #3. Curadoria de Rodrigo Garcia e Rosa Grün. Berlim, Alemanha.

[2017] Maus Hábitos – Espaço de Intervenção Cultural, Porto, Portugal.

[2017] Projeto T3, Café-Concerto ESMAE, Porto, Portugal.