Tales Frey

Ilha

 

Em Ilha #1, #2 e #3, eu apresento o meu corpo em diálogo direto com a paisagem glacial islandesa e, como uma ilha, a minha matéria corpórea é exposta em contraste com o território que o circunda e, inversamente, em completa aproximação com o mesmo, quando coloco-me cercado de água (em estado sólido) por todos os lados, estabelecendo ora uma analogia transversal sobre a paisagem ora sobre a representação dela.

Esta série, composta por três trabalhos (2 vídeos e 1 série fotográfica), foi desenvolvida em residência artística no Fjúk Arts Centre em Húsavík na Islândia entre dezembro de 2015 e janeiro de 2016.

 

Tales Frey (Cia. Excessos), Ilha #1, 2016. Videoperformance, 8’21’’. Edição: 5 + 2 P.A.

 

Tales Frey (Cia. Excessos), Ilha #2, 2016. Videoinstalação, 1’51’’. 
Edição: 5 + 2 P.A.

 

Tales Frey (Cia. Excessos), Ilha #3 (Políptico), 2016. Fotografia, 40 x 64 cm cada. Edição: 5 + 2 P.A.

Menção Honrosa na II Bienal Internacional de Arte Gaia 2017. Vila Nova de Gaia, Portugal

 

HISTÓRICO

[2017] II Bienal Internacional de Arte Gaia 2017. Vila Nova de Gaia, Portugal.

[2016] Exposição coletiva A Ilha. Curadoria de Susana Rodrigues. Sput&Nik The Window, Porto, Portugal.

[2016] Memento Mori. CAAA – Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura, Guimarães, Portugal.

 

Exposição A Ilha (2016-17), de Cia. Excessos (Páll Jónsson e Tales Frey), com curadoria de Susana Rodrigues. Sput&Nik The Window, Porto, Portugal. Fotografia de Ana Efe